O mercado brasileiro de tecnologia da informação e comunicações (TICs) continuará crescendo acima do PIB, porém, este ano, o avanço será mais moderado, de 5%, em comparação a 2014, movimentando US$ 165,6 bilhões, de acordo com projeção da IDC Brasil. Segundo a consultoria, o resultado será fortemente influenciado pelo câmbio e o país deve fechar o ano como o sexto maior mercado mundial de TICs.

A chamada terceira plataforma, que envolve tecnologias como Internet das Coisas (IoT), impressão 3D, sistemas cognitivos, robótica, interfaces neurais e segurança de próxima geração, será a base para acelerar a inovação e os negócios nas empresas brasileiras.

O relatório indica que o mercado de telecom continuará em alta e ainda será quase 80% maior que o mercado de TI no Brasil, atingindo US$ 104 bilhões de receita. Os serviços móveis e profissionais para redes corporativas impulsionarão a demanda, e o 4G deve adquirir massa crítica, superando os 11 milhões de usuários até o fim do ano.

Ainda segundo o estudo, o aumento de investimentos em mobilidade e nuvem acarretará na ampliação do mercado de segurança, já que o mercado corporativo está cada vez mais preocupado em assegurar que seus dispositivos (BYOD ou contratados diretamente) tenham mais proteção. Para a consultoria, a adoção de cloud pelas empresas vai impulsionar a demanda por “endpoint security” neste ano e, de acordo com as projeções, esse mercado atingirá US$ 117 milhões no Brasil.

Para o consumidor final, os dispositivos móveis continuarão em alta. O volume de vendas de computadores, tablets e smartphones, somados, representarão aproximadamente 45% dos investimentos de TI no Brasil em 2015, ou seja, US$ 27,5 bilhões. Uma nova tendência neste segmento para o ano serão os produtos vestíveis (“wearables”), que deverão se difundir no país, com início de importação e produção em grande escala.

Cloud, Internet das Coisas e big data

A constante divulgação de cases de sucesso demonstrando os benefícios de adoção de cloud fará com que a IaaS (Infraestrutura como Serviço) contribua para o crescimento da cloud pública – a expectativa é de um aumento de mais de 50% em 2015 no Brasil. Por outro lado, a integração entre os diversos ambientes irá aumentar a complexidade para implantação de SaaS (Software como Serviço).

Em 2015, a “Internet das Coisas” continuará em expansão no país. Até o fim do ano, a IDC Brasil estima que 130 milhões de dispositivos estejam conectados, o correspondente a quase metade de ‘coisas’ conectadas na América Latina.

Em relação ao big data, a IDC acredita que a aproximação dos executivos de linha de negócio e o melhor entendimento das possibilidades que a tecnologia oferece farão com que os novos projetos mudem seu foco de avaliação e resolução de problemas para inovação e diferenciação competitiva – 35% do orçamento para projetos de big data virão dos executivos das áreas de negócio – que também deverão impulsionar projetos relacionados a iniciativas de IoT. O mercado de Business Intelligence e Analytics deverá encerrar o ano com US$ 788 milhões de investimentos no país.

Fonte: ti inside online

Share This